quinta-feira, 4 de outubro de 2012

ENSINAMENTOS PARA A VIDA

video

As sábias palavras do escritor Flávio José Cardozo, proferidas a um grupo de estudantes de 8ª série da Escola Básica Municipal Anísio Teixeira, no dia 1º de outubro de 2012, ressoaram como verdadeiros ensinamentos para a vida de todas as pessoas presentes àquele encontro.
O convidado foi recebido na Biblioteca, inicialmente, pela bibliotecária Hilda. Ela lhe apresentou o ambiente, especialmente, o cantinho da leitura.
Logo a professora Aline também veio ao encontro do escritor e colocou-o a par do que havia sido preparado para aquele momento.
Nesse clima de aproximação com o autor de Uns papéis que voam, os estudantes da turma 82 foram entrando e se acomodando nas cadeiras que rodeavam Flávio.



Aline iniciou a conversa agradecendo a visita do escritor e entregando a ele um livro de crônicas, fruto do exercício de escrita regido pela comprometida professora, a partir das crônicas lidas no livro de Flávio.
Ele agradeceu a oportunidade e o convite. Elogiou o trabalho e saudou a professora, dizendo: “_ professor é uma figura que vocês nunca vão se esquecer. É uma figura central da nossa vida que vocês sempre vão lembrar e saber o quanto foi importante na vida de vocês”.
Os jovens leitores estavam cheios de questionamentos e ansiosos para fazê-los. Então a professora deu a palavra a eles.
Tanto as perguntas como a forma com que elas foram expressas evidenciaram que aqueles jovens leitores conheciam a seleção de crônicas, publicadas no Diário Catarinense por Flávio e reunidas em Uns papéis que voam




Além de pertinentes, elas foram muitas:
1-      Qual motivo o levou a escrever este livro?
2-      É muito difícil escrever um livro?
3-      Quanto tempo o senhor demorou para escrever este livro?
4-      Com que idade o senhor viu que queria ser escritor?
5-      Com quantos anos o senhor começou a escrever seus livros?
6-      Lendo a crônica “ficha de emprego”, gostaríamos de saber como o senhor se tornou cronista?
7-      O senhor pretende escrever outro livro como este só com mais crônicas?
8-      No que o senhor se inspira para escrever seus livros?
9-      O senhor já tirou inspiração de outros livros para escrever os seus?
10-   Qual foi seu livro mais vendido?
11-   Já aconteceu com o senhor de estar escrevendo um livro e ter de parar por algum imprevisto pessoal?
12-   Qual livro que ficou marcado na sua história?
13-   Qual é seu escritor preferido?
14-   Qual foi seu primeiro emprego?
15-   O senhor já deu uma entrevista parecida com a crônica do “ficha de emprego”?
16-   O senhor já fez as pazes com sua mulher no trânsito ou algo parecido como na crônica “Para-choque”?
17-   Quem é a segunda menina da crônica “Duas meninas”?
18-   Aconteceu a mesma história do “Ao aeroporto” com o senhor?
19-   A crônica “Quero um bico” fala do cara vendendo rosquinhas. O senhor já teve de vender rosquinhas ou fazer outro bico assim?
20-   Na crônica “Uma palavra” o jornalista pergunta ao entrevistado qual era a palavra que ele considerava mais bonita. E para o senhor, qual é a palavra mais bonita?

O escritor transparecia toda a sua felicidade por poder dialogar sobre seus escritos com aquele grupo seleto de estudantes.
Explicou que, o conceito de difícil é relativo, que, para quem lê, parece tudo mais difícil. Todo livro tem sua dificuldade. Esse foi bastante fácil, pois o trabalho maior foi o de reunir e selecionar textos escritos ao longo de anos e publicados em jornal. “_ Crônica é um gênero de jornal, em que o autor explora as coisas do dia a dia, aproveitando fatos do cotidiano, um fato inusitado, qualquer assunto, tudo é assunto, até a falta de assunto. A preocupação é o fato de envolver o leitor, sensibilizá-lo. Eu tenho mais uma dúzia de livros de crônicas. Sopé é o último que fiz. Na verdade, é um álbum de memórias”.
Disse que o livro é como uma árvore que a gente vai plantando.  “_ Escrever pressupõe um trabalho muito antes, de pensar. O processo de criação é muito de pensar. A inspiração é 10% e 90% é respiração. Tem que suar. Tem que buscar a inspiração. O cronista tem que ser divertido, tornar o que é banal em arte, usar de bom humor, colocar um pouco de poesia. O cronista tem que escrever para todos, do leitor mais simples ao mais erudito, catedrático”.
Ressaltou que o ensino da linguagem é fundamental para qualquer profissão que os estudantes venham a exercer.
Para Flávio, a maior obra prima é Dom Quixote, de Miguel de Cervantes. Mas outros autores marcaram a história dele, Machado de Assis, Clarice Lispector, Graciliano Ramos, Guimarães Rosa, Sheakspeare, Fernando Pessoa (genial).
Perguntado se viveu a história da crônica Ao Aeroporto, ele disse: “_ Tudo que o autor escreve é autobiográfico. Não que tenha sido vivência pessoal. Tudo que a gente escreve, a gente viveu, seja da nossa vida ou da observação. Tenho que ser cada personagem que vive na história. Tenho que pensar como eles.”





Foram tantos ensinamentos que não cabem aqui, mas certamente cabem no coração e na memória de leitura de cada um daqueles jovens que tiveram a oportunidade de interagir com esse consagrado escritor catarinense.
Nossos sinceros agradecimentos ao escritor Flávio José Cardozo por nos ter oferecido uma manhã inesquecível como aquela, pelas sábias palavras de conscientização da importância da leitura, especialmente, a literária, nas nossas vidas.
Ao final, a professora Aline e a bibliotecária Hilda ofereceram um café ao convidado, e foi mais um daqueles momentos encantadores de aproximação entre o autor e seu público leitor.
PARABÉNS a essas profissionais responsáveis, competentes e comprometidas com a educação de qualidade. PARABÉNS à professora Aline pelo brilhante trabalho de motivação para a leitura e de produção escrita desenvolvido com seus alunos da turma 82.


Gostaríamos de agradecer sua presença e sua atenção com a nossa turma!



Um comentário:

  1. Ensinamentos de vida, de histórias, de livros, de sabedoria... realmente, foram sábias palavras ditas pelo Flávio naquela manhã chuvosa.
    Obrigada mais uma vez pela atenção e dedicação de vcs, meninas, pois sem isso o clube da leitura não aconteceria desta maneira fantástica.
    Com certeza, uma memória que ficará no coração.
    Beijo!

    ResponderExcluir